Feito Vento

vento

Talvez eu seja feita de vento, uma brisa leve soprando pra algum lugar que eu não sei exatamente onde fica, mas saberei. Talvez.

Porque não me arrisco a tentar definir mais nada, e nem a carregar o peso de tantas certezas, até porque a vida sempre ri de todas elas.

A única certeza que tenho é que sou pequena demais para ter tantas certezas assim. Quase tudo parece duvidar das minhas respostas prontas, e nisso reside minha alegria: me conformar em perceber que o mais sábio é entender que talvez seja, talvez não, talvez mude, talvez não.

Por um tempo, a delicadeza da alma feita só de brisa me desafiou o espírito. Em um momento da vida em que minha alma foi picada em pedaços e colada de forma meio torta, achei que deveria ser dura feito pedra.

Enquanto acreditei nisso, tive certezas inquestionáveis, e as dúvidas foram prontamente rechaçadas ou respondidas. Tinha um caminho definido e uma meta a ser alcançada. Eu era meu próprio quartel. Pena que nele jamais deixaria de ser um soldado raso, sem direito a questionar as próprias certezas impostas. Pena, também, ter esquecido que pedras não foram feitas pra sair do lugar.

Por um descuido da armadura vigilante em que me transformei, uma das minhas certezas inquestionáveis se desfez no ar, explodiu linda e colorida feito confete no meu rosto, e surgiram dúvidas alegres e zombeteiras que espalharam o caos no meu quartel e desfizeram toda hierarquia e seriedade que constituí como alicerces da minha alma de pedra.

Toda essa desordem momentânea me deixou atônita, manca de uma certeza só: sou pequena demais para ter tantas certezas assim. Mentira, tenho outra: tenho que respirar e comer, senão morro. O resto… bem, o resto, até onde eu sei e acredito, pode mudar.

Por isso, desertei do meu quartel, piquei mais uma vez a alma inteira e estou, no momento, remendando-a novamente. Vai ficar torta, eu sei, mas perfeccionismo nunca me ajudou muito, e está mais pra defeito que qualidade.

E é por isso que acredito ser feita de vento. Ou talvez de pólen, poeira de estrelas, onda do mar, asa de borboleta, tanto faz. Que seja do que for, que tenha brechinhas e seja mal colada mesmo, para que o sol jamais deixe de iluminar os cantos mais escuros, e a cola que une seus pedaços não seque tanto a ponto de endurecer os sentimentos e o sorriso de gratidão a absolutamente tudo que me retirou o excesso de certezas, o fardo pesado de verdades inúteis e mutáveis.

E a gente segue assim, mal colada e sorridente entre dúvidas zombeteiras, rumo a algum lugar que não se sabe exatamente onde fica. Feito vento.

Anúncios

10 pensamentos sobre “Feito Vento

  1. Abusada! E tenho dito!
    Impossível não te amar até o pó, haja visto que és feita de estrelas.

  2. E foi assim, vento, que te conheci e me encantei por seus sopros e relances.

    Por muitas vezes, a bem da verdade, foi mais brisa do que vento, pois a leveza e a suavidade que permeiam você são incomparáveis.

    Como é bom poder brincar, construir, reconstruir e, se preciso, desmontar tudo para refazer de novo… quantas vezes forem necessárias.

    Pra mim, está aí o sentido real do viver. Sem movimento, não há graça.

    Obrigada por me mostrar isso e trazer orgulho, todos os dias.

    Mil beijos, com carinho!

    • Inge Lobato disse:

      Obrigada a você, lindona, que acompanha pacientemente esse processo lento de construção, de metamorfose pela qual passo e, mais que isso, dá completo apoio a todos meus projetos, de todas as formas possíveis e imagináveis. Sem você, não haveria brisa e nem graça. Beijo enorme da fã!

  3. Cris Araújo disse:

    Como algo tão belo… pode também ser triste? Espero que a brisa responda-me… Excelente texto!!!!

    • Inge Lobato disse:

      Oi, amore! Fico impressionada com a facilidade que você tem de ler a alma das pessoas. É um dom que os amigos mais próximos têm o privilégio de usufruir. O processo de mudança é desconfortável, causa medo, insegurança e até tristeza. Mas, ao mesmo tempo, mudanças são necessárias e representam renovação, ainda que se desapegar do antigo não seja tão fácil. Talvez por isso seja triste e, ao mesmo tempo, belo. Obrigada pelo olhar carinhoso e atento de sempre. Beijos no coração.

  4. Lunna Guedes disse:

    Tão bom se deixar ventar – ser pó, poeira – ser nada. Coisa alguma. Ser sentimento na pele, por dentro e por fora. Ser poesia, verso incompleto. rs

    Delicioso
    bacio

  5. Seja vento ou água, terra e até fogo, mas continue assim, plástica a realidade e seguindo sua vontade, pois como já disse um sábio: o rígido facilmente quebra.

    Beijo e linda vida, na beleza do novo.

Comente aqui:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s